Rdio chega a 24 novos mercados internacionais

O Rdio tem novidades: acaba de chegar ao Caribe, América Central e Ásia Pacífico. Através de uma parceria exclusiva com a operadora de telefonia móvel Digicel, o Rdio passa a ser disponibilizado em 24 novos mercados e outras sete regiões.

Nas próximas semanas, a Digicel oferecerá a todos os clientes com planos de dados pré-pagos 30 minutos diários de internet para ouvir o Rdio no telefone celular sem cobrança de dados – tudo por causa da parceria exclusiva. A Digicel também vai colaborar com o Rdio na infusão da influência local em cada um dos novos territórios, com a curadoria de playlists e estações junto aos Embaixadores de Marca Digicel, em cada país e território. Através desse procedimento inédito, usuários de todos os mercados terão acesso a músicas do mundo todo, além de poder ouvir aos artistas que já adoram.

A partir de hoje, o Rdio passa a estar disponível nos seguintes novos mercados: Angola, Antígua e Barbuda, Aruba, Barbados, Bermuda, Ilhas Virgens Britânicas, Ilhas Cayman, Dominica, Fiji, Granada, Guiana, Haiti, Jamaica, Nauru, Papua Nova Guiné, Samoa, São Cristóvão e Nevis, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Suriname, Tonga, Trinidade e Tobago, Turcas e Caicos e Vanuatu. Além destes novos locais onde o Rdio está sendo lançado, a parceria com  Digicel já existe na Guiana Francesa, Guadalupe, Guatemala, Martinica, Bonaire, El Salvador e Panamá.

Esta expansão demonstra nossa visão de levar a melhor experiência de streaming em telefones móveis, web e qualquer outro dispositivo conectável a uma audiência internacional cada vez maior. Se você é novo no Rdio, assine em rdio.com LINK ou faça o download de nossos aplicativos para iOS e Android  para curtir o Rdio sintonizado em você.

∞  01/23/2015 — 8:54AM

Posted by Frances Danckwardt at 8:54AM | | Comments (0)

Vanguart no #1 Rdio Sessions

Vanguart

A gente já conhece (e canta junto) as músicas da Vanguart, cheias de romantismo. Mas agora podemos dizer que ganhamos um presente mega especial da banda: uma sessão ao vivo, exclusiva, com versões inéditas de faixas da banda mato-grossense! Sim, estamos falando do primeiro Rdio Sessions do Brasil, que não poderia ter sido melhor.

Os seis músicos apresentaram releituras dos sucessos do grupo de um jeito único, e a gente conversou com com o vocalista Hélio Flandres sobre a experiência. É claro que aproveitamos para falar sobre os trabalhos anteriores, os planos para 2015 e muito mais.

Confira a nossa entrevista (e aproveite para colocar o Rdio Sessions para tocar enquanto lê). A gente promete que vale a pena!

  1. Vocês tocaram faixas que o público conhece bem, algumas em versões especiais. Como funcionou esse processo de transformação das músicas?
    Hélio: Tivemos a ideia de fazer versões diferentes do que costumamos fazer nos shows, então preparamos um set reduzido, sem bateria, com o Douglas tocando só percussão e cajón, com arranjos mais delicados e lentos. Foi nossa maneira de fazer a coisa ficar mais intimista.
  2. Tocar ao vivo é muitode gravar em estúdio. No Rdio Sessions, vocês gravaram versões ao vivo dentro de um estúdio. Como foi fazer os dois ao mesmo tempo?
    Hélio: Adoro cantar sussurrando e, às vezes, o rock and roll dos palcos não permite (risos). Basicamente, o que mudou foi que tentamos tocar pisando em ovos, na ponta do pé, como se tivesse um bebê dormindo na casa e tivéssemos que tocar e cantar com toda a doçura do mundo.
  3. "Boa Parte de Mim Vai Embora" fala em término, na perda do amor, ao contrário de "Muito Mais que O Amor". Isso tem a ver com o momento da banda?
    Hélio: Não é muito proposital, mas quase sempre acabamos fazendo álbuns biográficos. O "Boa Parte de Mim Vai Embora" retratou um momento complicado em todos os sentidos. Além da pressão do segundo álbum e muita dúvida sobre qual caminho seguir, eu estava num momento complicado na vida pessoal, o Reginaldo também. O "Muito Mais Que O Amor" foi muito tranquilo no sentido musical, de organização da banda mesmo, as coisas simplesmente aconteceram. Sem contar que o passar dos anos nos trouxe uma calma e madurez que foram fundamentais pra que a gente pegasse gosto pela vida. O amor veio à calhar.
  4. O que vocês têm escutado ultimamente? Tem alguma banda nova em que estejam apostando?
    Hélio: Eu acho que o momento da música brasileira é incrível. Grandes artistas e vários deles com personalidade suficiente pra mudar o mundo. Gosto muito do Maglore, minha banda do coração desde que os ouvi em 2012. Tenho ouvido muito Nobat, reouvindo a primeira mixtape do Emicida (Pra Quem Já Mordeu um Cachorro por Comida, Até Que Eu Cheguei Longe) e os últimos álbuns do Thiago Pethit e Tatá Aeroplano, que são amigos e mestres.
  5. Quais os planos da banda para 2015? Vai vir mais coisa nova por aí?
    Hélio: Vamos gravar um DVD da turnê do "Muito Mais Que O Amor", que tem sido surreal, e começar a fazer os arranjos pra um próximo álbum. Às vezes me pego pensando que falamos de amor, desamor... O que será agora? Pesca esportiva? (risos) Pensar em escrever canções pra um novo álbum do Vanguart me dá borboletas na barriga.

E a gente fica com borboletas só de pensar nessas novidades! Enquanto não chegam, a gente curte o Rdio Sessions, que está maravilhoso! http://bit.ly/SessionsVanguart

∞  01/21/2015 — 8:27AM

Posted by Frances Danckwardt at 8:27AM | | Comments (0)

#14 HELP - Como ouvir stations

A gente sabe que não faltam músicas para a gente curtir no Rdio - afinal, são mais de 30 milhões! Mas às vezes o que falta é saber exatamente o que ouvir. É por isso que as estações são ótimas alternativas para quando não se sabe em que dar play.

Help-ylzy5

Sabe quando bate aquela vontade "típica" de ouvir Cumbia Villera (ou não)? Aquele momento em que você precisa curtir o que está rolando na cena do funk carioca e não sabe por onde começar? Ou aquela vontade de escutar um som bem relaxante? É só escolher uma entre as dezenas de categorias, nas quais estão inúmeras estações. Porque, sim, tem uma para cada situação que você estiver vivendo.

E o melhor: as stations estão disponíveis para todos os usuários, inclusive para quem não assina Rdio Unlimited. A única diferença é que, para usuários free, há comercias na programação.

Por isso, a gente quer garantir que todo mundo saiba como aproveitar esse recurso. O processo é o mesmo no computador e em dispositivos móveis. É muito simples:

1) Acesse a página inicial do Rdio e clique em "Navegar";Captura de Tela 2015-01-15 às 15.38.59

2) Na tela seguinte, você vai ver todas as categorias disponíveis. Escolha uma delas;

Captura de Tela 2015-01-15 às 15.39.36

3) Agora, escolha qual das estações combina mais com o que você quer ouvir e aperte o play.

Captura de Tela 2015-01-15 às 15.39.54

 

Captura de Tela 2015-01-15 às 15.40.28

Pronto! Agora você pode ouvir músicas do estilo que procurava, sem precisar ficar escolhendo uma a uma. Não é incrível?! :D

∞  01/19/2015 — 5:18AM

Posted by Frances Danckwardt at 5:18AM | | Comments (0)

HELP #13: Como adicionar músicas em playlists colaborativas?

Uma das coisas mais legais de interagir com as músicas da nossa biblioteca é poder criar playlists personalizadas. A gente já explicou como se faz isso no Help Rdio #3, lembra? Basicamente, você seleciona o símbolo "+" que aparece ao lado de "Playlists" quando passa o mouse sobre o ícone.

Porém, ainda dá para se divertir um pouco mais com as funcionalidades na plataforma. E o melhor: você pode envolver seus amigos! É muito simples. Basta configurar suas playlists para que elas possam ser editadas em parceria.

Captura de Tela 2014-11-06 às 19.47.41

Para isso, acesse a playlist desejada, clique em "Editar" no canto superior direito e selecione uma das opções no ícone "Parcerias". Você pode escolher torná-la "Aberta aos usuários que você segue" ou "Aberto a todos". Depois disso, é só clicar em "Salvar".

Captura de Tela 2014-11-06 às 19.48.02

Pronto, agora todos os seus amigos podem acrescentar faixas legais à sua lista. Não é ótimo?!

Captura de Tela 2014-11-06 às 19.52.31

É só acessar a playlist, localizar o campo de busca (que fica logo acima da primeira música), encontrar o som desejado e clicar nele.

Captura de Tela 2014-11-06 às 19.52.48

Com isso, a música escolhida será acrescentada automaticamente à playlist. Simples, né? Agora corra, avise seus amigos e compartilhe o melhor da música!

∞  01/15/2015 — 4:12AM

Posted by Frances Danckwardt at 4:12AM | | Comments (0)

A musicalidade dos fotógrafos do I Hate Flash

Um grupo de fotógrafos que ama estar cercado de música. Pode ser uma festa, um show ou um festival: se o evento for legal, certamente tem alguém do I Hate Flash registrando de um jeito bem especial.

Follow_me-g0rdd

A gente conversou com Rodrigo Esper, sócio e fotógrafo do IHT, que agora também é nosso influencer. Ele nos explica direitinho como funciona o projeto e conta o que a equipe por trás das lentes curte nos fones de ouvido. Aproveite e ouça essa playlist com faixas escolhidas por cada um dos fotógrafos. É a trilha perfeita para ler essa entrevista:

 

  1. Conte para gente como surgiu o I Hate Flash e como o projeto funciona hoje em dia.
    Rodrigo: Surgiu de uma vontade de um cara em produzir conteúdo 'sem compromisso' pra mostrar o que estava acontecendo na cena das festas aqui no Rio. Cresceu pra um coletivo de quase 30 caras parecidos com aquele, que fotografam tudo que acontece na nossa cena, passando pelos universos da música, da noite, da arte, da moda e dos esportes urbanos. Hoje cobrimos oficialmente, entre outros, festivais como o Rock in Rio e o Lollapalooza, e já estivemos em quase duas dezenas de países fotografando.
  2. Como vocês selecionam a galera que trabalha na equipe?
    Rodrigo: É um processo muito natural, orgânico. A pessoa tem, em primeiro lugar, que fazer parte dessa cena que fotografamos. E não dá pra forçar a barra, é muito fácil perceber quem realmente 'pertence'. Depois do difícil processo de 'bater a vibe', tem que ser um cara afim de trabalhar duro pra acompanhar nosso ritmo de noites viradas, maratonas de edição e ressacas acumuladas. Se ele sobrevive a esse processo seletivo, não dá outra, acaba dentro.
  3. Se você pudesse definir o I Hate Flash em uma banda ou estilo musical, qual seria?
    Rodrigo: Impossível! Já tentamos várias vezes. Mas por viajarmos tanto e fotografarmos tantos estilos diferentes aprendemos a apreciar as peculiaridades de cada um. Se estamos em uma festa, estamos curtimos um eletrônico mais pesado, batendo com hip hop e com um gostinho extra por estilos étnicos. Mas se colocar a gente em um show punk, vai ver as nossas raízes dos anos 90 todas aflorarem. Mas se a pegada é um folk, uma big band de jazz, ou concerto de música contemporânea, não tem problema, se a vibe é boa, cabe o I Hate Flash lá.
  4. Quais foram os eventos mais legais de fotografar até agora?
    Rodrigo: Isso varia muito de fotógrafo pra fotógrafo. Da minha parte certamente foram os festivais que fomos. Desde a ida ao Reading na Inglaterra, o Fuji Rock no Japão, ao Burning Man nos EUA, todos eles encheram nosso coração de empolgação. Ver algumas bandas da minha vida também fizeram esse deslumbre bater no teto.
  5. O que as pessoas que seguem o perfil de vocês no Rdio devem esperar?
    Rodrigo: Vamos trabalhar em cima das nossas coberturas fotográficas. Por exemplo, fomos ao Riot Festival nos EUA, que tem uma pegada mais punk. Lá vimos algumas das bandas mais maneiras das nossas vidas. Criamos uma playlist com tudo que vimos, e deixamos umas resenhas sobre alguns dos álbuns desses artistas. Outro exemplo foi nossa viagem ao Japão, que nos rendeu vários nomes de bandas locais incríveis.

∞  01/12/2015 — 11:01AM

Posted by Frances Danckwardt at 11:01AM | | Comments (0)

30 anos de Rock in Rio

Parece mentira, mas o Rock in Rio completa 30 anos hoje. Já são três décadas desde que 1,4 milhão de pessoas entravam na Cidade do Rock para assistir uma infinidade de shows incríveis pela primeira vez. Cada banda, cada show, cada aplauso, tudo que aconteceu naquela primeira edição entrou para a história.

Ingresso_rockinrio1_1985_back

Alguns acontecimentos, é claro, ficaram mais marcados na nossa memória do que outros. A começar por ser a primeira vez que um festival desse porte acontecia no país. Roberto Medina, presidente do Rock in Rio, começou do zero. Ele ouviu não das bandas que chamou para o line-up. Porém, com o apoio de Frank Sinatra, convocou uma coletiva de imprensa nos EUA e ganhou o interesse de grandes bandas pelo festival.

Live-in-rio-1985-queen-the-works-tour

Queen, Iron Maiden, Whitesnake, George Benson, James Taylor, AC/DC, Scorpions, Rod Stewart, Ozzy Osbourne, Yes e The B-52's são apenas algumas das atrações internacionais que emocionaram o público presente no Rio naqueles dias de janeiro.

Paralamas-rock-rio-1985-original2

Mas quem saiu ganhando com a estreia do Rock in Rio foi mesmo o Brasil. A música nacional foi lindamente representada em shows inesquecíveis de Paralamas do Sucesso, Blitz, Barão Vermelho, Ney Matogrosso, Gilberto Gil, Elba Ramalho, Ivan Lins, Lulu Santos, Kid Abelha, Alceu Valença, Erasmo Carlos e muitos outros artistas.

Barao_01

Além da música, os brasileiros festejaram a eleição de Tancredo Neves, primeiro presidente civil eleito depois de duas décadas de ditadura militar. Dá para imaginar a emoção que a galera estava sentindo naquele dia 15 de janeiro, né? Ainda mais com a apresentação da Barão Vermelho, em que Frejat apareceu vestido de verde e amarelo e Cazuza fez todo mundo cartar junto "Pro Dia Nascer Feliz", que encerrou o show. Foi lindo!

Aqueles nove dias no começo de 1985 mudaram a história dos festivais e ainda causam arrepios. A gente mal pode esperar pela edição de 2015, que promete ser incrível! Aliás, sabia que o Rock in Rio está no Rdio? Corre lá no perfil deles e confere as playlists especiais do festival!

∞  01/11/2015 — 9:15AM

Posted by Frances Danckwardt at 9:15AM | | Comments (0)

O mundo musical de Marcelinho da Lua

Follow_me-ngw41

Ele é DJ, produtor, professor, radialista, pesquisador, colecionador de LPs e ainda tem uma banda, a Bossacucanova. Marcelinho da Lua praticamente respira música, tem um gosto impecável e vive em busca de tesouros sonoros, que agora compartilha com a gente no Rdio.

Estreando como nosso influencer, ele criou uma playlist especial, mostrando que saca tudo de som das antgias e que tem dicas valiosas para quem quer descobrir música de qualidade. Aperte o play e escute enquanto lê a nossa entrevista com Marcelinho, que nos contou um pouquinho sobre como é estar no mundo da lua.

Espia aí:

  1. Em que momento a música entrou em sua vida?
    Marcelinho: Desde cedo escutava muito som em casa e depois a Radio Fluminense e Cidade. Mas entrar pra vida como sustento e opção de estrada eu costumo dizer que foi assistindo a shows no Rio de Janeiro, exatamente no Circo Voador, Parque da Catacumba e nas salas e teatros públicos da cidade durante a década de 80. No início dos 90, que vi que queria trabalhar com música de qualquer maneira e também pela minha banda preferida, os Rolling Stones, e, claro, Tim Maia!
  2. De onde veio o nome "da Lua"?
    Marcelinho: Da época em que eu trabalhava no Estúdio do Menescal. Eu estava sempre com a cabeça em outro lugar, sempre sossegado e tranquilo! Vivo mesmo no mundo da Lua, tipo um sorriso largo e os olhos pequenos! Anh?
  3. Você é produtor musical, radialista, pesquisador, professor, colecionador de LPs e DJ, tudo ao mesmo tempo. Como você organiza todas essas atividades?
    Marcelinho: Jogos as cartas pra cima e na descida vou arrumando. Agora sou pai, estou ficando melhor nisso com a idade! Mas eu meto a cara no trabalho, tenho muitas ideias e preciso me organizar pra executar ao menos uma parte delas! Todas não existe hipótese...
  4. Em quais momentos a música está presente na sua rotina? Você utiliza serviços de streaming como o Rdio?
    Marcelinho: A música esta presente o tempo todo de alguma forma, compondo, remixando, gravando, promovendo, agendando, fazendo um rider, um mapa de palco, gerindo a minha empresa, reparando instrumentos, tentando tocar violão, discotecando, com o Bossacucanova na estrada, comprando vinil, ensinando meu filho a usar um toca disco, no carro, na bike, no skate, no telefone, no sexo, na hora de comer e no chuveiro! Agora, usando a Rdio, ela está mais presente ainda e venho descobrindo altas pepitas sonoras!
  5. Qual som não pode faltar em um set seu?
    Marcelinho: Uma qualidade boa de áudio, pesquisa, reggae, drum and bass, dubstep, música eletrônica brasileira, rap, funk, tamborzão, soul, baião, samba, rock e xaxado, uma boa batida na pressão pra mexer a galera!
  6. Conte para gente: qual experiência musical (um show, uma festa, um disco) mais marcou você nos últimos tempos?
    Marcelinho: São Muitas! Com o Bossacucanova, tocamos no Hollywood Bowl (LA), Kodak Theater (LA), com Célia Cruz e Santana na primeira fila, Roskilde Festival (DK), North sea Jazz Festival (ND), Ronnie Scott Jazz Club (UK), Womad Festival (UK), World Cup 2010, Japão, Australia, Colômbia e Cingapura - para citar alguns lugares. Já tocamos no palco com Manu Dibango, Anjelique Kdjo, Roberto Menescal e Carlos Lyra. Muita gente legal nestas voltas ao mundo com a banda!
  7. Como Dj, foram diversas vezes em Copacabana no Reveillon, é emocionante. Já toquei na França no festival Trans Musicales, no Museu Quay Branly, no Congas Room (LA), também em diversos camarotes na Sapucay! 
  8. Meu primeiro disco, Tranquilo, foi o meu mais premiado. Ele conquistou o prêmio TIM, 2 VMB's e Dj Sound. Foi uma tremenda alegria minhas parcerias em estúdio com Seu Jorge, B- Negão, Black Alien, Martinho Da Vila, Mart'nália, Chico Buarque, Lenine. São muitas histórias que me trouxeram alegrias e êxitos! Todas as produções, remixes, shows, programas e discotecagens são momentos únicos que coleciono. O trabalho é pesado mas compensa!

∞  01/09/2015 — 9:13AM

Posted by Frances Danckwardt at 9:13AM | | Comments (0)

Behind the Music Royal Music Hall

Behind_the_music_02-znje5

Você provavelmente já ouviu falar em algum álbum gravado no Royal Albert Hall, não é? O lugar é uma das casas de espetáculo mais importantes do Reino Unido, ao lado do Wembley Stadium e da O2 Arena. Com capacidade para 8 mil pessoas, foi inaugurado em 1871 em Londres.  

Olhando de fora, o Royal Albert Hall chama a atenção pela beleza, mas carrega dentro dele uma história incrível no universo da música. A casa já foi palco de artistas de todos os tipos e muitas dessas apresentações entraram para a história em forma de álbuns. Será que os seus ídolos já gravaram um disco por lá?

Bob Dylan - Live 1966 "The Royal Albert Hall Concert" The Bootleg Series Vol. 4

O show que Bob Dylan realizou no Royal Albert Hall em 1966 marcou época. Não apenas porque foi uma grande apresentação de uma das vozes que movimentaram uma geração. Essa foi a última perfomance de Dylan antes do acidente de motocicleta que o afastou dos palcos por 8 anos.

Eric Clapton - 24 Nights/Recorded Live At The Royal Albert Hall, London. 1990-1991

Eric Clapton deve ser um dos músicos recordistas em apresentações no Royal Albert Hall. Ele já tocou 198 vezes lá (e já tem um mais show agendado para 2015), seja em bandas como The Yardbirds ou Cream, ou na carreira solo. Entre 1990 e 1991, ele se apresentou por 24 noites no local, o que resultou no álbum ao vivo "24 nights".

 

Jimi Hendrix Experience (Last Concert in Europe Recorded Live At The Royal Albert Hall, 24th February 1969)

A última apresentação de Jimi Hendrix na Europa foi no palco do Royal Albert Hall, sete meses antes de sua trágica morte. O show foi transformado em um álbum póstumo, lançado em 2011 pelo selo Akarma.

Jorge & Mateus - Live In London - At The Royal Albert Hall

Fazendo a estreia de brasileiros no palco do Royal Albert Hall, a dupla sertaneja Jorge & Mateus gravou um álbum especialíssimo na casa em 2012. Além de reunir sucessos da carreira dos dois, o show teve um detalhe emocionante: a maior parte do público foi de brasileiros que moram na Europa.

∞  01/07/2015 — 5:02AM

Posted by Frances Danckwardt at 5:02AM | | Comments (0)

Os álbuns mais marcantes de 2014 para nossos inlfluencers

Marcantes

Nossos influencers sacam tudo de som! E a gente adora compartilhar as playlists deles, já que nada melhor do que a curadoria de quem ouve, vive e respira música para dar dicas do que escutar.

Essa turma, é claro, curtiu muita coisa nova em 2014. Lançamentos de discos de artistas que a gente adora, surgimento de bancas incríveis, shows, festivais, etc, e a gente pode não ter acompanhado tudo isso no mesmo ritmo deles.

Por isso mesmo pedimos para alguns dos nossos principais influencers nos contarem qual foi o disco favorito deles em 2014. Assim a gente sabe com exclusividade o que cada um mais curtiu e ainda coleta dicas quentíssimas para ouvir antes que o ano acabe. E que venha muita música em 2015!

Pitty:  Antemasque - Antemasque

Um álbum marcante desse ano pra mim foi o do Antemasque, a nova banda do Cedric e Omar do Mars Volta. Sempre fui fã dos caras, desde o At The Drive In; e quando o Mars Volta acabou ficou aquele clima estranho, eles tinham brigado e tal. Achei que não ia mais vê-los juntos num projeto e eles apareceram com esse disco incrível, vigoroso, que de certa forma me soa como uma síntese perfeita das duas bandas que tiveram juntos antes.

Gaía Passarelli: Sharon van Etten - Are We There

 Dramático, intenso, meio surtado – exatamente como foi esse ano. Também gostei muito do disco do TV on the Radio.

Bananas Music Branding: Damon Albarn - Everyday Robots

Para nós foi um álbum super marcante, pois a maioria da equipe admira e acompanha o trabalho do músico, além disso usamos muito o Damon Albarn nas nossas playlists e nas dos clientes. Não só o Damon Albarn solo, mas como o Blur, Gorilaz, Rocket Juice and The Moon e The Good The Bad & The Queen.

Renata Simões: TV on The Radio - Seeds

 É uma banda que eu adoro e veio com um bom disco depois de um bom tempo em silêncio.

BOS BQB: Jack White - Lazaretto

Jack White voltando com sua guitarra poderosa. Riffs maravilhosos e reunindo em cada uma das suas músicas Rock & Roll, Blues, Country, Bluegrass, Southern Rock e por vezes uma pegada rapper super ritmada. O álbum que foi gravado em turnê captura ainda muito da intensidade do rolê musical da banda e remete aos momentos iniciais do seu belíssimo trabalho no White Stripes. Jack White é puro BOS BBQ. Not for the weak at heart.

Ronald Rios: PRHYME - Prhyme (parceria entre Royce Da 5’9” e DJ Premier)

Batidas old school com um MC proeminente esfomeado. Grandes featurings, não tem erro. Isso é hip hop.

Bárbara Eugênia: Na loucura e na lucidez - Tatá Aeroplano

Segundo disco solo do Tatá, dando continuidade a crônicas da vida moderna de um jeito tão cru, real, romântico. Os arranjos estão matadores. Lindíssima produção de Dustan Gallas e Junior Boca, mais uma vez. Ouvi e ouço muito. Tatá é uma grande inspiração pra mim.

Canal Brasil:  Tom Zé - Vira Lata na Via Láctea

Tom Zé surpreende com sua capacidade de ser contemporâneo e, ao mesmo tempo, atemporal mais uma vez. Em 2014, ele inventou de mesclar sua densa poesia com parcerias com os gênios da nova geração da música brasileira. Artistas como Criolo, Kiko Dinucci e a banda O Terno aparecem ao lado dos duetos com Milton Nascimento e Caetano Veloso. É um disco para ouvir com atenção, pescando as infinitas referências modernas.

DTMM: Crush songs - Karen O

Fiquei completamente apaixonada por esse disco que mostra uma fase bem sentimental da Karen O, em um esquema lo-fi que eu adoro. Ela abre o coração, e a gente embarca junto em suas histórias de amor. Tive a chance de ver o show dela e fiquei surpreendida como, ao vivo, o disco consegue ficar ainda melhor, como ela tem total domínio de palco e uma voz de deixar qualquer um boquiaberto. Nunca tinha ligado muito pro Yeah Yeah Yeahs, mas agora já espero ansiosamente o próximo disco!

ICKFD: Of Monsters and Men - My Head Is An Animal

O álbum que marcou o ICKFD em 2014 não é tão novo. Of Monsters and Men fez com que cada dia do blog ficasse ainda mais animado, embalando os posts e receitas. Cada uma das músicas tem uma batida que põe a gente pra cima e com vontade de ouvir cada vez mais.

Mercado: Reflektor - Arcade Fire

Apesar de ter sido lançado em 2013. Eu (Lira) e o Checho assistimos o show deles este ano e adoramos a performance e a energia da banda. Considero um dos melhores shows do ano.

 Amplificador: modeHuman - Far From Alaska

Disco de estreia do Far From Alaska, talvez hoje a banda mais aclamada e quase unanimidade na mídia especializada, "modeHuman' foi lançado oficalmente em maio mas já faz barulho desde 2013 quando a banda começou a circular pelos festivais. O quinteto de Natal já tinha impressionado a musa Shirley Manson, do Garbage, em sua primeira vez no Lollapalooza, com elogios rasgados para a vocalista Emilly Barreto, só 23 anos. Indicada como banda revelação também por Pitty com performances explosivas no palco, o FFA entrou de novo na escalação do Lolla 2015, agora não mais como aposta, mas já por total merecimento. A música 'Dino Vs Dino' tem potencial fácil para estourar nas rádios; mas se preferem não apostar, pior para o mainstream. No final de 2013, seus integrantes foram morar em SP e a banda deve decolar. Com média de idade de 25 anos, o FFA tem longo e promissor caminho pela frente e representa o excelente momento do rock potiguar e de todo a cena musical de Natal. 

Gomus: Wonder Where We Land - SBTRKT

O segundo álbum do SBTRKT (aka Aaron Jerome) foi altamente aguardado aqui na Gomus. Após uma estreia maravilhosa com o álbum homônimo e alguns EPs e singles, sempre ficou aquela questão de como ele daria seguimento ao projeto. No disco Wonder Where We Land, o SBTRKT confirmou todas as expectativas mais que positivas e veio com beats ainda mais inventivos, loops criativos, vocais viajantes de vários convidados amados pela Gomus, como a querida Jessie Ware que também lançou um álbum maravilhoso em 2014. Selecionar um disco do ano é garantia de dor de cabeça. Nós ouvimos milhares de álbuns por ano e com certeza escolher "O" álbum é impossível. Um outro ponto que nos chamou atenção foi o tamanho da obra do SBTRKT. São 21 músicas que não deixam a peteca cair em nenhum momento. A pluralidade do disco também é impressionante. Você encontra baladas tipicamente britânicas como “If It Happens” até explorações do ambiente underground eletrônico londrino como em “NEW DORP. NEW YORK” . Agora é esperar o terceiro álbum e os vários singles que vierem no meio do caminho.

Revista Noize: Banda do Mar - Banda do Mar

Pois tivemos a chance de lançá-lo pelo NOIZE Record Club. O trabalho representa o encontro musical sincero e romântico de amigos de um jeito simples e redondinho, e levou música de qualidade ao rádio e ao horário nobre da TV aberta.

 

∞  12/27/2014 — 11:15AM

Posted by Frances Danckwardt at 11:15AM | | Comments (0)

Rdio no iOS - Agora com Busca e Play e curtidas em comentários

Hoje lançamos uma nova atualização para dispositivos de sistema iOS, com novas ferramentas sociais e de busca, que nós sabemos que vocês estavam esperando:

* Busca e Play: Clique no novo botão de Play direto nos resultados de busca para ouvir a música instantaneamente.
* Curtidas em comentários: Clique e curta comentários na plataforma 

Blog-ios-3.0.9-20141215-gd (1)

Continuamos em nosso compromisso de criar o melhor serviço de música do ano, sintonizado em você.

Faça o download do Rdio para iOS [LINK] bit.ly/RdioiOS e teste as novas ferramentas hoje mesmo. Em breve, o Rdio terá curtidas em comentários também no Android.

 

∞  12/22/2014 — 12:07PM

Posted by Frances Danckwardt at 12:07PM | | Comments (0)